Brunno Elias

Atividade física, bem-estar e um pouco mais (ou não…)

Atividade física e saúde na escola

Publicado por Brunno em 7 de Junho de 2009

* Resumo da oficina apresentada na Semana Acadêmica de Educação Física (UFMS) 2009.

Palestrante:

Brunno Elias Ferreira, Msd. (Departamento de Educação Física; Faculdade de Medicina-Saúde e Desenvolvimento na Região Centro-Oeste, UFMS).

A prática da atividade física tem sido orientada com vistas a minimizar os impactos do sedentarismo na condição funcional das pessoas. Dentre os dez maiores problemas destacados pela Organização Mundial da Saúde, cinco podem ser minimizados ou controlados pela prática de atividade física de forma rotineira: hipertensão arterial, colesterol elevado, sobrepeso e obesidade, sedentarismo e diabetes mellitus (WHO, 2009).

Normalmente a orientação para prática de atividade física parte de algum profissional da saúde que entra em contato com a população já doente ou em vias de desenvolver algum quadro metabólico ruim (NICOLAI et al., 2009), mas esse profissional não conta com os conhecimentos específicos da prática de atividade física. Essa orientação para a prática dificilmente será seguida ou será eficiente, como demonstrado por alguns estudos comportamentais (MAZZETTI et al., 2000; NICOLAI et al., 2009).

O trabalho com enfoque no desenvolvimento do indivíduo ativo e independente, com uso da informação sobre saúde e atividade física como ferramenta, pode evitar degeneração nas capacidades funcionais por causa de doenças não-transmissíveis e promover maior adesão aos programas de atividade física (FERREIRA et al., 2001). Seguindo essa linha, a escola se mostra o melhor ambiente para desenvolver essas características. A disciplina de Educação Física não tem tempo suficiente para promover condicionamento físico eficaz segundo diretrizes de órgãos como o Colégio Americano de Medicina Esportiva (ACSM, 2007; HASKELL et al., 2007), mas pode educar seus alunos com informações acerca da prática de atividade física e sua aplicação como exercício físico.

Qualidades físicas como força, resistência muscular, capacidade e potência aeróbia e flexibilidade estão intimamente relacionadas com um quadro positivo de saúde (FERREIRA et al., 2001; FERREIRA, 2008). A manutenção ou melhora dessas capacidades auxilia nas atividades da vida diária e a prática de atividade física habitual dentro do padrão moderado promove a sensação de bem-estar e o conceito de qualidade de vida (SHIBATA et al., 2007).

A proposta de Educação Física escolar voltada para a educação promovendo a prática da atividade física e manutenção ou melhora da saúde é auxiliar o aluno a escolher ativamente entre as várias opções que a vida moderna oferece, de forma a incrementar seus níveis de atividade física. Formando um indivíduo crítico quanto à atividade física e o exercício físico será possível convencer as pessoas próximas (familiares, amigos…) a praticarem a atividade física (PALMA et al., 2006) como forma de cuidar de sua saúde e melhorar sua qualidade de vida.

REFERENCIAL TEÓRICO

ACSM – AMERICAN COLLEGE OS SPORTS MEDICINE. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

Ferreira BE. O conceito qualidade de vida inserido na atividade física: reflexão sobre concepções e evidências. EF Deportes, 13 (122), 2008.

Ferreira MS. Aptidão física e saúde na Educação Física escolar: ampliando o enfoque. Rev. Bras. Cienc. Esporte, 22 (2), 2001, 41-54.

Haskell WL; Lee I; Pate RR; et al. Update recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation, 116, 2007, 1081-93.

Mazzetti SA, Kraemer WJ; Volek JS; et al. The influence of direct supervision of resistance training on strength performance. Med. Sci. Sports Exerc., 32 (6), 2000, 1175-84.

Nicolai SPA; Kruidenier LM; Leffers P; et al. Supervised exercise versus non-supervised exercise for reducing weight in obese adults. J Sports Med Phys Fitness, 49, 2009, 85-90.

Palma A; Ferreira DC; Bagrichevsky M; et al. Dimensões epidemiológicas associativas entre indicadores socioeconômicos de vida e prática de exercícios físicos. Rev. Bras. Cienc. Esporte, 27 (3), 2006, 119-36.

Shibata A; Oka K; Nakamura Y; et al. Recommended level of physical activity and health-related quality of life among Japanese adults. Health and Quality of Life Outcomes, 5 (64), 2007.

WHO, The. The WHO Global InfoBase. Disponível no: http://apps.who.int/infobase/report.aspx. Acessado em 27 de maio de 2009.

About these ads

2 Respostas para “Atividade física e saúde na escola”

  1. [...] Publicado por Brunno em 22 22UTC Junho 22UTC 2009 O evento aconteceu no início do mês, mas agora segue as fotos que mostram um pouco do trabalho teórico e prático desenvolvido com os alunos e profissionais de Educação Física na oficina Atividade física e saúde na escola. [...]

  2. [...] runno Elias [...]

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

 
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: